Capa / INÍCIO / GERAL / Após queda de popularidade, presidente deve fazer pronunciamento na TV
Após queda de popularidade, presidente deve fazer pronunciamento na TV

Após queda de popularidade, presidente deve fazer pronunciamento na TV

Após ver sua popularidade despencar em pesquisa do Instituto Datafolha, a presidente Dilma Rousseff estuda fazer um pronunciamento em rede nacional de TV depois do Carnaval para detalhar medidas que o governo têm adotado para combater a corrupção.

Na tarde desta segunda-feira (9), Dilma passou cerca de duas horas e meia reunida com a cúpula política do governo no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência. Segundo um dos presentes, que preferiu não se identificar, parte dos ministros defendeu que a presidente fale à sociedade e apareça em público defendendo medidas já tomadas pelo governo e apresente outras que ainda serão postas em prática.
Diante das sugestões dos auxiliares, a presidente cogitou fazer o pronunciamento oficial para enfatizar que apoiará no Congresso Nacional um “pacote” de projetos que preveem o enfrentamento a atos de corrupção.

Integram o chamado “núcleo duro” do governo os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil), Jaques Wagner (Defesa), Pepe Vargas (Relações Institucionais), Miguel Rossetto (Secretaria-Geral) e Ricardo Berzoini (Comunicações). José Eduardo Cardozo (Justiça) também costuma participar das reuniões.

Entre os temas debatidos nesta segunda-feira no encontro do Alvorada estava a pesquisa divulgada no último sábado (7) pelo Datafolha na qual 44% dos entrevistados apontaram a gestão Dilma como “ruim” ou “péssima”. A última pesquisa divulgada pelo instituto, em 3 de dezembro de 2014, apontava que Dilma tinha avaliação positiva de 42% dos entrevistados.

Diante de um horizonte de incertezas econômicas no país, o Datafolha também revelou que 55% dos brasileiros acreditam que a situação da economia vai piorar nos próximos meses. O pessimismo nas expectativas da população disparou em comparação ao penúltimo levantamento do instituto, realizado em dezembro, quando 28% dos entrevistados esperavam a piora da economia.

A imagem do governo tem sofrido desgaste desde o início das denúncias relacionadas à Operação Lava Jato, que investiga esquema de lavagem de dinheiro e teria desviado recursos da Petrobras. A ex-presidente da estatal Graça Foster renunciou ao cargo na semana passada em razão do desgaste que vinha sofrendo à frente da estatal.

Na campanha eleitoral do ano passado, a então candidata do PT à reeleição defendeu mudanças na legislação para tornar, por exemplo, crime a prática de caixa dois. À época, ela também propôs a aprovação, por lei, de um novo tipo de crime que puna agentes públicos que tenham enriquecimento incompatível com os ganhos.

Deixe um comentário