Capa / INÍCIO / DESTAQUE / Em conversa com prefeitos do Noroeste Fluminense, presidente do TCE recomenda demitir funcionários
Em conversa com prefeitos do Noroeste Fluminense, presidente do TCE recomenda demitir funcionários

Em conversa com prefeitos do Noroeste Fluminense, presidente do TCE recomenda demitir funcionários

Com o inicio da chamada “crise dos royalties” prefeitos de todo o estado do Rio tem procurando o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), Jonas Lopes, atrás de sugestões para enfrentar a crise financeira sem ferir a legislação. Com sua experiência de 20 anos como conselheiro do TCE –RJ e cinco como presidente da corte, Jonas, afirma que a crise não é tão grave quanto parece e que, derrotada a “preguiça fiscal”, é possível recuperar o caixa das prefeituras com arrecadação própria e medidas duras. Entre essas medidas está, de acordo com ele, a demissão de servidores públicos, inclusive os concursados.

“Prefeitos do Noroeste vieram me visitar e perguntaram o que fazer diante da crise. Respondi que eles podem, inclusive, demitir servidores, mesmo concursados. A legislação permite isso. Só nas prefeituras da região tem mais de duas mil pessoas para colocar para fora. Eles têm que fazer o dever de casa. Não adianta ficar de braços cruzados. O dinheiro não é do prefeito, é do município. O próprio estado não faz o seu dever de casa em relação ao ICMS e só agora quer correr atrás dos devedores. É muita inércia do poder público”, afirmou incisivamente o presidente do TCE-RJ.

Jonas escora sua afirmação argumentando que faltou gestão e sobrou preguiça fiscal: “Os recursos dos royalties têm destinação específica, não têm tanta flexibilidade. Já com a Participação Especial (indenização sobre a produtividade dos poços de petróleo) é possível pagar pessoal não-estável. Com isso, muitas prefeituras incharam demais a máquina pública, contratando temporários ou em cargos de comissão. Em 2014, fizemos uma auditoria que constatou que exorbitaram desta possibilidade legal. Cabo Frio é uma delas. Botaram gente demais na rua (cerca de 4 mil, em março) porque botaram gente demais para dentro (14 mil). Se descuidaram assustadoramente das contas públicas porque não faltava dinheiro”.

Ao ser questionado sobre a manobra que está sendo realizada por municípios como Campos, Cabo Frio, Arraial do Cabo e Carapebus, que recorrem de uma resolução do Senado que permite a antecipação dos royalties, por meio de empréstimos, ele afirma: “Esta medida dá uma capacidade de endividamento preocupante aos municípios. Pela resolução, não tem como deixar muita dívida para as administrações futuras, pois só podem comprometer 10% da receita anual de royalties. Mas é uma bengala que os municípios estão tendo que se valer. Sobre este movimento em Campos, é uma questão política que fujo de responder”.

Radicalmente contra as tentativas de flexibilização da Lei de Responsabilidade Fiscal, por considerar que o Brasil só não está pior por ter esta lei há 15 anos, acredita que Existe uma completa ausência de fiscalização do ISS.

“A receita do bolo está aí. A cobrança de ISS não é feita.Encontramos plantas de IPTU ultrapassadas. Onde havia terrenos, hoje existem prédios com apartamentos. Isso gera também ITBI que não é recolhido. O que sustenta o município é a arrecadação própria. Mas apenas 15,8% da receita das cidades de 2010 a 2014 é própria”., afirma e completa: “É muito imposto que não entra, deixa de ser cobrado. Em 46 municípios, os fiscais de tributos são desviados de função. Em 40 o trabalho é feito por agente incompetente e em 12 não há sequer fiscais”.

Com informações de O Diário